Procrastinação: não caia nessa!

 

 

Você provavelmente já ouviu falar de inércia. Na física, inércia é a propriedade que explica que um corpo mantém seu estado atual de movimento. Segundo a Wikipédia, é a “preguiça” dos corpos de massa: se está parado, há o “desejo” de continuar parado. Se está em movimento, há o “desejo” de continuar em movimento.

 

Pois bem, algo parecido à inércia da física também acontece conosco na realização de atividades. É árduo largar o estado atual dos pequenos afazeres leves e divertidos que nos mantém na zona de conforto para tomar a mudança de rumo, como ir fazer um trabalho, executar uma tarefa importante, iniciar um novo projeto. Acabamos caindo na famosa procrastinação quando ficamos mais um pouco na frente da televisão, pegamos o celular para verificar mensagens e assim protelamos as tarefas mais difíceis.

 

Na física, para que um corpo saia da inércia, é preciso que uma força adicional seja aplicada sobre ele. Também este é o caso da procrastinação. Às vezes, essa força adicional é a obrigação. Porém, é uma força tão chata, que na maioria das vezes a obrigação só serve para movimentar nosso corpo no limite do prazo, fazendo com que deixemos tudo para a última hora.

Há também outra força adicional, que é interna: a motivação. Conseguir a motivação não é fácil, porque é uma força que precisa ser construída dentro de nós. Ela está atrelada ao desejo e ao sentido relacionados à tarefa a ser realizada.

 

Um ponto interessante da inércia é que ela também mantém o movimento de um corpo que está em velocidade. Lembre-se de uma situação em que realizou uma atividade que realmente te importava. É muito provável que você tenha envolvido-se, sentido prazer ao executá-la e ficado nela por longos períodos. Neste caso, a inércia ajuda, pois mantém a situação produtiva.

 

Ou seja, o difícil é o primeiro passo. Vamos desacomodar? O que vai ser decisivo em um ou outro é a decisão por aplicar uma força de mudança. Para isso, precisa encontrar e focar em uma motivação que seja suficiente para te tirar da inércia inicial.

Yara de Paula Picchetti

Psicóloga USP

Mestra em Educação UFRGS

Texto originalmente publicado na Revista Fundamental - Ano 06 - Edição 28 - Dezembro 2016.

Rua Gomes Portinho, 17, sala 1202          Novo Hamburgo - Centro         Tel.(51)98143-8896